Archive | junho, 2013

O SÍLABO TOMISTA

Comen­tário as 24 Teses do tomis­mo:

 PRÓLOGO

 

d. CURZIO NITOGLIA

[Tradução: Ged­er­son Fal­cometa]

12 de dezem­bro de 2011

http://www.doncurzionitoglia.com/le_xxiv_tesi_del_tomismo.htm

 

Eccle­sia edix­it doc­tri­nam Thomae esse suam” (Ben­to XV, Encícli­ca Faus­to appe­tente die, 1921).

AS XXIV TESES DO TOMISMOCONTÉM A ESSÊNCIA DA FILOSOFIA TOMISTA E NOS COLOCAM EM ALERTA CONTRA OS PERIGOS DA FALSA METAFISICA

Pról­o­go

  • O Mag­istério da Igre­ja, com a Car­ta ao Ger­al dos Fran­cis­canos de 13 de dezem­bro de 1885 de Leão XIII, o qual nes­sa apli­ca os princí­pios da encícli­ca sobre o renasci­men­to do tomis­mo Aeterni Patris (1879) ao caso con­cre­to do ensi­na­men­to da dout­ri­na tomista tam­bém em todas as out­ras ordens reli­giosas (com par­tic­u­lar refer­i­men­to aos fil­hos de S. Fran­cis­co) e ao clero sec­u­lar, recita: «O dis­tan­ciar-se da dout­ri­na do Doutor Angéli­co é coisa con­trária a Nos­sa Von­tade, e,conjuntamente, é coisa ple­na de peri­gos. […]. Aque­les os quais dese­jam de serem ver­dadeira­mente filó­so­fos, e sobre­tu­do os reli­giosos dis­so tem o dev­er, devem colo­car as bases e os fun­da­men­tos da sua dout­ri­na em S. Tomás de Aquino»[1].

 

  • Com a pro­mul­gação do motu pro­prio “Doc­toris Angeli­ci” de 29 de jun­ho de 1914 São Pio X impun­ha como tex­to escolás­ti­co a Sum­ma The­olo­giae de San­to Tomás as fac­ul­dades teológ­i­cas, sob pena de inval­i­dar-lhes os graus acadêmi­cos. Papa Sar­to chama­va a obri­gação de ensi­nar os princí­pios fun­da­men­tais e as teses mais salientes do tomis­mo (“prin­cip­ia et pro­nun­ci­a­ta majo­ra”) [2].

Con­tin­uar lendo →

O MELHORAMENTO DO CARÁTER E DO TEMPERAMENTO

 

d. CURZIO NITOGLIA

[Tradução: Ged­er­son Fal­cometa]

21 de maio de 2011

 http://www.doncurzionitoglia.com/miglioramento_carattere_temperam.htm

O CARÁTER

 

Natureza do caráter

  • O caráter é o modo de ser habit­u­al de um homem, que o dis­tingue dos out­ros e lhe dá uma per­son­al­i­dade int­elec­tu­al, moral, e psi­cológ­i­ca pro­pri­a­mente sua. O caráter é dis­tin­to do tem­pera­men­to. Na real­i­dade o caráter indi­ca as dis­posições int­elec­tu­ais, morais, psi­cológ­i­cas e tam­bém espir­i­tu­ais do homem; enquan­to o tem­pera­men­to indi­ca as tendên­cias, que esconde na sua con­sti­tu­ição orgâni­ca e fisi­ológ­i­ca.

  • A Divisão do caráter con­tém três ele­men­tos:

.  o racional (int­elec­to e von­tade);

. o sen­sív­el (con­hec­i­men­to dos sen­ti­dos inter­nos e externos/apetite sen­sív­el: irascív­el e con­cu­pis­cív­el);

. E o social ou das relações com os out­ros.

Con­tin­uar lendo →

Obediência e fidelidade

 

 

De Padre Giuseppe Pace

[Tradução: Ged­er­son Fal­cometa]

 

Este arti­go foi escrito pelo já fale­ci­do Padre Giuseppe Pace em 1978, que depois foi pub­li­ca­do no vol­ume Zibal­done (de Frei Galdino da Pescareni­co, Edi­tiones Sanc­ti Michaelis, pg. 42–45).

Ape­sar de o arti­go ressen­tir de ele­men­tos lig­a­dos ao tem­po em que foi escrito, o tem­po das refor­mas “ad exper­i­men­tum”, por exem­p­lo, esse man­tém toda a sua atu­al­i­dade em repe­tir o ver­dadeiro sen­ti­do da obe­diên­cia inti­ma­mente lig­a­da a fidel­i­dade … a fidel­i­dade a Deus mais que aos home­ns.

 

Os negri­tos são da Unavox

 

______________________________________________________

 

 

Muitos ingle­ses obe­de­ce­r­am aos seus bis­pos, e tornaram-se Angli­canos, primeiro cis­máti­cos e então, heréti­cos. Do mes­mo modo no tem­po de Ário, muitos fiéis, obe­de­ce­r­am aos seus bis­pos e se tornaram Ari­anos.

Eis porque não é pos­sív­el med­i­tar sobre a obe­diên­cia sem ter tam­bém pre­sente a fidel­i­dade.

Os Após­to­los se recusaram obe­de­cer ao Siné­drio, emb­o­ra sendo o Siné­drio a supre­ma autori­dade de todos os Judeus, e então tam­bém dos Após­to­los: ”É pre­ciso obe­de­cer antes a Deus que aos home­ns” (Atos V, 29).

Quan­do São Paulo, não ape­nas não se con­for­mou a con­du­ta de São Pedro, ape­sar da mes­ma estar se tor­nan­do nor­ma de con­du­ta uni­ver­sal, acol­hi­da por per­son­agens de pri­maria importân­cia como São Barn­abé: mas pre­cisa­mente porque esta­va para se tornar nor­ma de con­du­ta uni­ver­sal, com inelutáveis con­se­quên­cias doutri­nais, São Paulo resis­tiu em face a São Pedro “In faciem ei resti­ti, quia rep­re­hen­si­bilis erat” (Gal. II, 12).

É este o primeiro caso de um bis­po, e qual bis­po!, que se opõe aber­ta­mente ao seu Papa, e qual Papa!

Se São Paulo, pro Bono pacis, não hou­vesse se insurgi­do cora­josa­mente con­tra São Pedro, uma Igre­ja católi­ca não desvin­cu­la­da do Judaís­mo teria mor­ri­do ao nascer, nós hoje, se ain­da cristãos, estaríamos sob o jul­go da lei judaica, que Jesus em vão teria ten­ta­do sub­sti­tuir com a sua nova lei.

Con­tin­uar lendo →

Powered by WordPress. Designed by WooThemes

Seguir

Obtenha todo novo post entregue na caixa de entrada do seu email.

Junte-se a outros seguidores