Tag Archives | Falso tradicionalismo

Preguntas inconvenientes…censuradas por los Neo-Super-Ultra- Resistentes

Pablo Hermoso

Y nosotros que pensábamos que en su sapiencia tenían respuesta para todo. Pero no. La neo-super-ultra-resistente que acaba de formarse en Brasil, de los nuevos cruzados contra los “apóstatas” y “herejes” obispos Williamson, Faure y el próximo obispo Dom Tomás de Aquino, más toda la tropa de “liberales” y “sofistas” que los siguen, la neo-secta, decimos, que exige firmar un documento de adhesión al Catolicismo para hablar con su Jefe y ser parte de la misma, publicó hace poco un sermón “magnífico” (¡sic!) de su Líder Supremo, en su página de Youtube.

La dulce y caritativa señora que allí publica, colocó debajo un comentario de tribuna futbolística como este, tal vez para reforzar el “expresivo” e “incendiario” sermón:

Giulia Maria d’Amore-Nakahara (CATÓLICA)

Viva Cristo Rei! Graças a Deus temos um padre com sentido de Fé e de Igreja. Que não se vende por uma mitra. E que não está só. Esse bando de imbecis, capitaneados por Dom Tomás, fica dizendo por aí que isso é coisa de Pe. Cardozo, de Ipatinga, do Thiago, da dona Giulia. BURROS! O mundo todo está gritando contra as asneiras de Dom Williamson. Antes de sair dizendo bobagens na Net (ainda que anonimamente), pesquisem. E vossa alma que está em jogo. Vcs não vão ganhar nenhuma mitra, seus tontos!

Mostrar menos

Responder  

Continue Reading →

Postagens relacionadas

  • 86
    Gederson Falcometa Diz o Evangelho de São Lucas, 6, 43-45: “Uma árvore boa não dá frutos maus, uma árvore má não dá bom fruto. Porquanto cada árvore se conhece pelo seu fruto. Não se colhem figos dos espinheiros, nem se apanham uvas dos abrolhos. O homem bom tira coisas boas…
    Tags: se, de, tradicionalismo, falso
  • 84
      Tudo o que você precisa saber para combater os argumentos circulares do Pale Ideias: Perseguir o rabo está mais relacionado a cães mais velhos e normalmente tem a ver com algum problema psicológico, como demência ou senilidade. Nos filhotes, entretanto, significa apenas uma forma de brincadeira. Os cães que…
    Tags: de, não, se, tradicionalismo, falso
  • 83
                     Uma das primeiras lições que aprendi ao estudar a Filosofia é que há distinção entre: “Doxa” (do grego, opinião) e “Episteme” (do grego, verdade). De forma que todas as nossas opiniões devem ter por finalidade a verdade. Mas o nosso tempo é marcado pelos “doutores” da opinião. Não…
    Tags: de, tradicionalismo, falso
  • 70
    A teóloga disse isto (em um texto que parece uma árvore de natal): "2. “...toda a árvore boa dá bons frutos, e toda a árvore má da maus frutos”. Adaptando para facilitar a compreensão: “...toda a árvore de maçãs dá maçãs, e toda a árvore de laranjas dalaranjas”". E: “Não…
    Tags: de, não, se, tradicionalismo, falso

A árvore se conhece pelo seu fruto

Gederson Falcometa

Diz o Evangelho de São Lucas, 6, 43-45:

“Uma árvore boa não dá frutos maus, uma árvore má não dá bom fruto. Porquanto cada árvore se conhece pelo seu fruto. Não se colhem figos dos espinheiros, nem se apanham uvas dos abrolhos. O homem bom tira coisas boas do bom tesouro do seu coração, e o homem mau tira coisas más do seu mau tesouro, porque a boca fala daquilo de que o coração está cheio”.

Considerando que cada árvore se conhece pelo seu fruto, perguntamos a nossos leitores:

Qual árvore produz o fruto abaixo?

fruto que não existe

Seria uma “macieranja” ou uma “larancieira” ?

Não existe tal fruto, logo, não existe a árvore. Sendo assim não é possível julgar nem o fruto, bom ou mau, e por consequência nem a árvore. Agora vejam os nossos leitores a imagem abaixo:

Esse é o fruto de uma macieira com sarna.

Então, podemos conhecer a árvore, uma macieira. Agora resta saber se a árvore é boa ou má, julgando-lhe a partir de seu fruto. Segundo o que pode se ver pelo aspecto e se ler no texto “Sarna maca, nematoide, e mosca branca soja“, fonte da foto, o fruto é mau, porque a maçã está doente, e portanto, a macieira que a produz é uma árvore má. Agora vejam a imagem abaixo:

Temos a imagem de uma boa maçã, e através disso, só podemos concluir ser fruto de uma boa macieira. Assim, pelo que acabamos de expor, fica claro que é pelos frutos que se conhece a árvore, e pela qualidade destes frutos, bons ou maus, se julga se a árvore é boa ou se a árvore é má. Com essa postagem damos por encerrada, a questão da interpretação da árvore e dos frutos.

 

Postagens relacionadas

  • 86
    Pablo Hermoso Y nosotros que pensábamos que en su sapiencia tenían respuesta para todo. Pero no. La neo-super-ultra-resistente que acaba de formarse en Brasil, de los nuevos cruzados contra los “apóstatas” y “herejes” obispos Williamson, Faure y el próximo obispo Dom Tomás de Aquino, más toda la tropa de “liberales”…
    Tags: de, se, tradicionalismo, falso
  • 79
                     Uma das primeiras lições que aprendi ao estudar a Filosofia é que há distinção entre: “Doxa” (do grego, opinião) e “Episteme” (do grego, verdade). De forma que todas as nossas opiniões devem ter por finalidade a verdade. Mas o nosso tempo é marcado pelos “doutores” da opinião. Não…
    Tags: de, tradicionalismo, falso
  • 75
    La Civiltà Cattolica anno 11° vol. 6, serie IV, Roma 1860.   R. P. LUIGI TAPARELLI D’AZEGLIO, S. J.   Que me diz o leitor? A opinião é a rainha do mundo?   Este é um daqueles problemas equívocos, ao qual se pode justamente responder com um sim não menos…
    Tags: a, que, de, se
  • 73
      Tudo o que você precisa saber para combater os argumentos circulares do Pale Ideias: Perseguir o rabo está mais relacionado a cães mais velhos e normalmente tem a ver com algum problema psicológico, como demência ou senilidade. Nos filhotes, entretanto, significa apenas uma forma de brincadeira. Os cães que…
    Tags: de, se, tradicionalismo, falso
  • 69
    A teóloga disse isto (em um texto que parece uma árvore de natal): "2. “...toda a árvore boa dá bons frutos, e toda a árvore má da maus frutos”. Adaptando para facilitar a compreensão: “...toda a árvore de maçãs dá maçãs, e toda a árvore de laranjas dalaranjas”". E: “Não…
    Tags: de, árvore, se, boa, fruto, tradicionalismo, falso
  • 60
      Gederson Falcometa Em resposta aos Comentários Eleison de Mons. Williamson sobre os milagres eucarísticos de Buenos Aires, o Rev. P. Ernesto Cardozo escreveu o texto que tem título homônimo ao deste artigo, porém, a questão que ele levantou encontra resposta positiva (há milagres fora do corpo visível da Igreja…
    Tags: de, que, a, se
  • 52
    Don Curzio Nitoglia [Tradução: Gederson Falcometa]   O Donatismo clássico O “DONATISMO CLÁSSICO” [1] é uma Heresia (seguida de um Cisma) nascida de DONATO O GRANDE (cerca de +330) do qual infelizmente perderam-se os escritos, mas dos quais nos falam S. JERÔNIMO (De viribus illustris, 93) e SANTO AGOSTINHO (De haer, 69; Epist.,185; De…
    Tags: a, de, que, se, tradicionalismo
  • 50
    PADRE CURZIO NITOGLIA [Tradução: Gederson Falcometa] Velletri, 15 de novembro de 2008 http://www.doncurzionitoglia.com/IpotesiVelletri.htm "Em questões teológicas difíceis e não definidas, deve se dar o próprio parecer com humildade e paz, conformando-se a instrução e a capacidade do ouvinte, insistindo mais na prática da Igreja, exortando a seguir o bom costume; ao invés de deixar-se…
    Tags: a, de, que
  • 50
        A Igreja e o Estado (2ª ed.) Napoles 1872, cap. I, pag. 7-21.Rev. Pe. Matteo Liberatore S.J.CONDIÇÃO DA IGREJA OPOSTA AO ESTADOCAPÍTULO I.ARTIGO I.Conceito liberalITríplice forma de tal conceitoA palavra de ordem, como se costuma dizer, do liberalismo hodierno é a emancipação do Estado da Igreja. Isto se entende de…
    Tags: a, que, de, se

A sapiente teóloga e sua série “metáforas”

A teóloga disse isto (em um texto que parece uma árvore de natal):

2. “…toda a árvore boa bons frutos, e toda a árvore má da maus frutos”.

Adaptando para facilitar a compreensão:
“…toda a árvore de maçãs maçãs, e toda a árvore de laranjas dalaranjas””.

E:

“Não pode uma árvore boa dar maus frutos, nem uma árvore mádar bons frutos.”

Adaptando para facilitar a compreensão:

Não pode uma árvore de maçãs dar laranjas, nem uma árvore de laranjas dar maças.”

“http://farfalline.blogspot.com.br/2016/04/metaforas-I.html

Começo dizendo aos nossos leitores que, o dicionário não é um lugar teológico. Nele não se encontra interpretações e explicações dos Padres da Igreja, ele como vulgarmente se diz, é o pai dos burros (e se sobre burros e mulas, recomendo a leitura: “Todo “penso” é torto. Considerações sobre a mula sem cabeça“). Curiosamente, tem que se ter uma dose cavalar de burrice se se pensa encontrar respostas nele para questões teológicas. Geralmente quando temos uma questão teológica, buscamos na Catena Aurea, nos Padres da Igreja, em Santo Tomás, no Magistério, etc nunca no dicionário. Dito isto, passemos a comentar a árvore de natal da teóloga do Pale Ideas.

Na primeira citação, ela coloca a árvore boa que produz bons frutos, como a macieira que produz maçãs e a árvore má que produz maus frutos, como a laranjeira que produz laranjas. Será que não gosta de laranjas? Continua na segunda citação, aplicando a sua falsa interpretação. Ao que dizemos: de fato, uma macieira não produz laranjeiras, nem uma laranjeira produz maçãs, porque realmente não existem árvores de uma espécie que produzem frutos de outra, logo, não podemos julgar uma coisa que não existe boa ou má. Assim,  essa interpretação é notoriamente falsa, porque uma árvore é julgada boa ou má pelos frutos da espécie que produz. De forma que, uma macieira só pode produzir boas ou más maçãs, como a laranjeira só pode produzir boas ou más laranjas, e serem consideradas boas ou más a partir da qualidade do fruto que produzirem. Por essa razão também diz Nosso Senhor:

 Ou dizeis que a árvore é boa e seu fruto bom, ou dizeis que é má e seu fruto, mau; porque é pelo fruto que se conhece a árvore. Mt 12, 33

Esse versículo confirma o que temos dito, porque se é pelo fruto que conhecemos a árvore, então, o que podemos conhecer de uma maçã e de uma laranja, é que uma é fruto da macieira e a outra da laranjeira. Se o fruto for bom, poderemos concluir que a árvore é boa, se for mau, que a árvore é má. Uma macieira e seus frutos não podem ser consideradas boas apenas por produzir maçãs, e não há nenhuma razão para se considerar uma laranjeira má apenas por se produzir laranjas. Não tem sentido, até porque a árvore má, e os frutos maus, não existiriam de verdade, toda árvore existente seria boa pelo simples fato de existir. Isso que dá em se arvorar em intérprete das escrituras e ler a bíblia como os protestantes. Em todos esses meses de polêmica, o que temos visto são apenas interpretações pessoais do Padre e dos fiéis. Se não tivéssemos usado os Padres da Igreja, o Magistério, Santo Tomás e os bons teólogos católicos, teríamos conhecido mais o livre exame que fizeram, e menos a tradição da Igreja.

Afirmar que uma macieira dá bons frutos pelo simples fato de produzir maçãs é o que fazem os protestantes com a doutrina da Sola Fides. Essa doutrina faz o homem pensar que pelo simples fato de ter fé em Jesus Cristo, ele sempre vai produzir bons frutos. Por essa razão mesmo, Lutero ensinava aos seus: “Peca fortemente e crê mais firmemente e serás salvo”. Evidentemente a interpretação da teóloga do Pale Ideas e a de Lutero, contradizem a interpretação dos Padres da Igreja e de Santo Tomás, que são unânimes em considerar a árvore a vontade humana, que pode ser boa ou má, sendo boa os frutos serão bons e sendo má os frutos serão maus. Por essa razão questionou São Jerônimo, doutor da Igreja:

 ““Perguntamos aos hereges que admitem em si mesmos duas naturezas contrárias: se, segundo seu modo de pensar, uma árvore boa não pode produzir maus frutos, como então Moisés, árvore boa, pecou junto às águas da contradição (Nm 26,72), São Pedro negou ao Senhor na paixão dizendo: ‘Não conheço esse homem’, e o sogro de Moisés, árvore má que não cria no Deus de Israel, lhe deu um bom conselho?” [extraído da Catena aurea de Santo Tomás de Aquino]”. Diz São Jerônimo ao comentar Mateus VII, 15-20

 Lúcifer, quando produziu um mau fruto, foi expulso do céu e nunca mais pode produzir um bom fruto. São Miguel, o príncipe do exército celestial, só pode produzir bons frutos. São Pedro, Moisés e seu sogro, foram homens, não eram árvore e nem anjos. Por essa razão questiona São Jerônimo, na mesma linha do que afirmou D. Tomás, sem contradizer Nosso Senhor. O pecado não é e nunca foi um bom fruto. Assim, de nossa parte afirmamos que a bondade ou a maldade do homem dependem de sua vontade, que pode ser boa ou má (como vimos no exemplo do questionamento de São Jerônimo). A vontade do homem não é como a árvore que é um vegetal, e nem como a dos anjos, que são puros espíritos. Como disse o Padre Trincado, Nosso Senhor não disse verdades sobre botânica, e muito menos aplicou essas verdades botânicas sobre o homem, para transforma-lo em uma árvore. Mas se consideramos, com eles, que, uma macieira é boa pelo simples fato de produzir maçãs, como os luteranos, então, não há como não considerar os pecados de Moisés e São Pedro frutos bons, e o conselho do sogro de Moisés, mau, pelo simples fato dele não ter fé no Deus de Israel. De qualquer forma, São Jerônimo todos os Padres da Igreja, Santo Tomás e o nosso Bispo terem se tornado deuses, é apenas um nome dado a uma realidade que não existe. Quero dizer que, é puro nominalismo, bem como diz Padre Curzio Nitoglia, como pode se ler:

 “…para Ockham a razão não pode conhecer a essência das coisas e nem mesmo o Transcendente, a lógica não é um conhecimento objetivo e real do mundo extramental (In Ium Sent., dist. 3, q. 8). O homem possuí apenas um conhecimento sensível do singular, do fênomeno que cai sob os sentidos, daquilo que é experimentável (Quodl., I, q. 13; In IIIum Sent., dist. 9, q. unica). Nisto ele é um precursor do sensismo empirista do iluminismo inglês do século XVII enquanto o próprio Ockham “reduz a realidade a só àquilo que é empiricamente verificável”. Então “da posição Ockhamista ao subjetivismo moderno não existe senão um passo brevissimo”. Do nominalismo ao modernismo passando pelo empirismo

 É esse nominalismo Ockhamista, esse subjetivismo que temos visto de nossos adversários nesses meses de polêmica. Mal mal citaram autores da tradição católica, quando citam, os citam mal (e praticando livre exame se dizem os autênticos defensores da tradição católica). Ora, é regra de fé católica que, não se pode interpretar as Escrituras fora do sentido dado pelos Padres da Igreja. No que diz respeito a isso, a questão da árvore e dos frutos, pode se considerar encerrada pelo sentido que dão os Padres da Igreja na Cátena Aurea.

 Por fim, a questão: é o pecado um bom fruto? Parece ter sido respondida com um sim pela teóloga do Pale Ideas, porque a partir de sua interpretação luterana, o pecado pode sim ser um fruto bom. Certamente São Pedro e Moisés, foram macieiras, então, só poderiam produzir maçãs, não poderiam produzir laranjas. Então, pela linha da sapiente teóloga da série “metáforas”, eles como árvores boas, que produzem apenas maçãs, só podem produzir bons frutos, mesmo pecando. É uma interpretação de fazer inveja a Lutero, por alguém que se arvora a pertencer a “verdadeira tradição da Igreja”.

Postagens relacionadas

  • 72
                     Uma das primeiras lições que aprendi ao estudar a Filosofia é que há distinção entre: “Doxa” (do grego, opinião) e “Episteme” (do grego, verdade). De forma que todas as nossas opiniões devem ter por finalidade a verdade. Mas o nosso tempo é marcado pelos “doutores” da opinião. Não…
    Tags: de, é, como, uma, tradicionalismo, falso
  • 70
    Pablo Hermoso Y nosotros que pensábamos que en su sapiencia tenían respuesta para todo. Pero no. La neo-super-ultra-resistente que acaba de formarse en Brasil, de los nuevos cruzados contra los “apóstatas” y “herejes” obispos Williamson, Faure y el próximo obispo Dom Tomás de Aquino, más toda la tropa de “liberales”…
    Tags: de, não, se, tradicionalismo, falso
  • 69
      Tudo o que você precisa saber para combater os argumentos circulares do Pale Ideias: Perseguir o rabo está mais relacionado a cães mais velhos e normalmente tem a ver com algum problema psicológico, como demência ou senilidade. Nos filhotes, entretanto, significa apenas uma forma de brincadeira. Os cães que…
    Tags: de, uma, os, não, se, é, como, tradicionalismo, falso
  • 69
    Gederson Falcometa Diz o Evangelho de São Lucas, 6, 43-45: “Uma árvore boa não dá frutos maus, uma árvore má não dá bom fruto. Porquanto cada árvore se conhece pelo seu fruto. Não se colhem figos dos espinheiros, nem se apanham uvas dos abrolhos. O homem bom tira coisas boas…
    Tags: árvore, se, fruto, de, boa, tradicionalismo, falso

“Uma contra- metáfora à metáfora: Todo o sistema discursivo do Pale Ideias se resume a essa imagem.”

 

correr atras do rabo

Tudo o que você precisa saber para combater os argumentos circulares do Pale Ideias:

  • Perseguir o rabo está mais relacionado a cães mais velhos e normalmente tem a ver com algum problema psicológico, como demência ou senilidade. Nos filhotes, entretanto, significa apenas uma forma de brincadeira.

  • Os cães que não brincam muito e que não interagem muito com seus donos acabam achando formas de chamar atenção. Se você notar que seu cão faz isso pra chamar sua atenção, experimente ignorar quando ele estiver correndo atrás do rabo. Simplesmente ignore, sem olhar, falar ou tocar o cão. Repreender ou brigar também é uma forma de atenção.

Fonte: http://tudosobrecachorros.com.br/2015/03/correr-atras-do-rabo.html

Postagens relacionadas

  • 84
    Pablo Hermoso Y nosotros que pensábamos que en su sapiencia tenían respuesta para todo. Pero no. La neo-super-ultra-resistente que acaba de formarse en Brasil, de los nuevos cruzados contra los “apóstatas” y “herejes” obispos Williamson, Faure y el próximo obispo Dom Tomás de Aquino, más toda la tropa de “liberales”…
    Tags: de, não, se, tradicionalismo, falso
  • 84
                     Uma das primeiras lições que aprendi ao estudar a Filosofia é que há distinção entre: “Doxa” (do grego, opinião) e “Episteme” (do grego, verdade). De forma que todas as nossas opiniões devem ter por finalidade a verdade. Mas o nosso tempo é marcado pelos “doutores” da opinião. Não…
    Tags: de, é, como, uma, tradicionalismo, falso
  • 73
    Gederson Falcometa Diz o Evangelho de São Lucas, 6, 43-45: “Uma árvore boa não dá frutos maus, uma árvore má não dá bom fruto. Porquanto cada árvore se conhece pelo seu fruto. Não se colhem figos dos espinheiros, nem se apanham uvas dos abrolhos. O homem bom tira coisas boas…
    Tags: se, de, tradicionalismo, falso
  • 69
    A teóloga disse isto (em um texto que parece uma árvore de natal): "2. “...toda a árvore boa dá bons frutos, e toda a árvore má da maus frutos”. Adaptando para facilitar a compreensão: “...toda a árvore de maçãs dá maçãs, e toda a árvore de laranjas dalaranjas”". E: “Não…
    Tags: de, não, é, uma, se, como, os, tradicionalismo, falso

Todo “penso” é torto. Considerações sobre a Mula Sem Cabeça

 

               Uma das primeiras lições que aprendi ao estudar a Filosofia é que há distinção entre: “Doxa” (do grego, opinião) e “Episteme” (do grego, verdade). De forma que todas as nossas opiniões devem ter por finalidade a verdade. Mas o nosso tempo é marcado pelos “doutores” da opinião. Não é estranho vermos, em qualquer meio de comunicação, pessoas discorrerem energicamente durante dois quartos de hora sobre o que não estudaram por pelo menos cinco minutos.  E o uso dessa loquacidade opinativa ganhou proporções inimagináveis com a internet.

               Nestas últimas semanas tenho dado boas risadas com uma senhora que personifica de maneira muito caricatural da  La donna è mobile de G. Verdi. Escreveu ela:

“E as mentiras que esses macaquinhos amestrados espalham não saem dos olhos, mas de corações cheios de fel. A boca fala do que o coração está cheio.”

http://farfalline.blogspot.com.br/search?updated-max=2016-04-01T02:10:00-04:00&max-results=5

Uma de suas discussões é sobre a impossibilidade de milagres fora da Igreja e, de maneira “infalível”, a condenação de toda a Igreja pós conciliar(CVII) ao paganismo.  E por mais de uma vez lhe foi mostrada a jumenta de Balão que, de maneira milagrosa, após apanhar bastante, fala. Pobre jumenta…

É um evento interessante, pois o orgulho, a cobiça e a hostilidade de Balaam é impedida através da humilde figura de uma jumenta. Que, contrariando sua natureza, fala e questiona.  O que alegoricamente vemos até hoje de maneira inversa.

A figura do burro (ou asno) é uma constante na história do cristianismo, que, se outrora utilizado como símbolo pagão, aparecerá no mistério da encarnação próximo a Nosso Senhor Jesus Cristo.  Santo Agostinho, ao comentar o capítulo 49:11 do Gênese, diz o seguinte:  “ assim como o Samaritano impôs sobre o jumento o pobre homem, assim o Filho do Homem foi feito semelhante ao jumento para que carregasse nossos pecados e, ao tomar nosso corpo, abolisse a enfermidade de nossa carne.” São Francisco o chama de “ Fratello asino.”

No Domingo de Ramos vemos Nosso Senhor triunfante sobre o lombo de um jumento.   Na concepção pagã o jumento esteve relacionado às festas de Saturno, Dionísio e Pã. Era o desregramento de nossos baixos instintos em evidência, divinizados.  Nosso Senhor ao reinarem nossas almas inverte a situação e põem nossos instintos em seu devido lugar, mostrando que Ele é o guia. 

No folclore brasileiro vemos a figura da Mula Sem Cabeça, que seria uma maldição dada à mulher que se tornasse amante de um padre.  Nosso grande folclorista, Luiz da Câmara Cascudo, assim descreve a mula: “lança chispas de fogo pelas narinas e pela boca. Suas patas são calçadas de ferro. A violência do seu galope e a estridência do relincho são ouvidas longamente. Às vezes soluça como uma criança”.

O que a realidade nos mostra? Podemos ver não só a loucura da mulher pecadora transformada em um mostro, mas também, por outro lado, a falha de um padre que, fazendo as vezes de alter Christus, perde a razão, deixando-se levar por suas baixas paixões. A mula que deveria ter como guia Nosso Senhor Jesus Cristo, como senhor e rei, perde sua cabeça por uma única mulher.

Outra observação que salta aos olhos é a cor do jumento. Ele não é preto, nem branco: é cinza; com uma bela cruz em tonalidade escura sobre a cernelha.  A oscilação pendular apaixonada dos extremos não o atinge, e, tal qual devemos ser, sua cor representa o equilíbrio tipicamente católico.  Ou ainda a exata personificação do católico que é atento aos aspectos contraditório da realidade. Não seria sua cruz a nossa confirmação neste combate?  

Muito do que se discute provém da absoluta confusão que se faz entre hermenêutica e exegese. Acredito que boa parte dos rapazolas partícipes da tradição desconheçam esses termos, à exceção do primeiro que, católico por excelência, ganhou mau odor devido à aplicabilidade dada por Bento XVI.  A exegese é muito utilizada pelo protestantismo, como única forma interpretativa, uma vez que busca tão somente a literalidade do texto, sem aportes com o Magistério e Tradição. 

A hermenêutica como ferramenta interpretativa é seguida de um método.

  • Interpretação literal, ou gramatical; (se houver problemas)
  • Interpretação analógica;
  • Teleológica;
  • Extensiva;

Todas essas formas em relação às Sagradas Escrituras, Magistério e Tradição. Ao sair desse caminho traçado pela Igreja por mais de dois mil anos, incorremos no tortuoso caminho do devaneio. Qual o motivo de tantas igrejas protestantes? A oscilação pendular de uma estrita interpretação da Sagrada Escritura ou a livre interpretação não margeada pelo Magistério e Tradição.

O Cântico dos Cânticos bem demonstra como deve ser a interpretação das Sagradas Escrituras. “Sou negra, como as tendas de Cedar, filhas de Jerusalém, mas sou bela,  como os pavilhões de Salomão” (C. dos Cânticos 1:4).

Apesar de toda a literalidade, este livro jamais deve ser interpretado como a conjunção canal dos nubentes, representando, antes, todo pudor, modéstia, castidade virginal que invoca a Santíssima Mãe de Deus, a Igreja e toda alma que aspira às núpcias espirituais com Nosso Senhor.  E a Sagrada Escritura não evidencia isso, tendo em vista que seu leitor não  será uma “mula sem cabeça.”

Tal versículo pode ser interpretado de várias formas, entre elas:

  • “Sou negra, mas sou bela” – mesmo a alma marcada pelo pecado original, por seus maus instintos e movimentos da natureza, poderá dizer: Encontro, pois, em mim esta lei: quando quero fazer o bem, o que se me depara é o mal. Deleito-me na lei de Deus, no íntimo do meu ser. Sinto, porém, nos meus membros outra lei, que luta contra a lei do meu espírito e me prende à lei do pecado, que está nos meus membros. Homem infeliz que sou! Quem me livrará deste corpo que me acarreta a morte? (Rom 7:21-24)
  • “como as tendas de Cedar” – “Cedar” é o segundo filho de Ismael, descendente de Abraão por Agar, a escrava. Para os hebreus, esse povo que descende de Agar, os árabes, é de grosseiros, vulgares…
  • “mas sou bela, como os pavilhões de Salomão.” – ou seja, mesmo com suas fraquezas e imperfeiçoes exteriores seu interior permanece calmo e passivo. Como as magnificas tendas de Salomão que rivalizavam com as de Dario.

Por fim, podemos lembrar a Santíssima Virgem que estava “negra”, com aparência exterior de uma mulher adúltera, em visita a sua prima Santa Izabel. Mas estava ela toda pura, “bela” com o seu brilho virginal imaculado. Ela pareceu ser “negra” ao ter a aparência de uma mulher grávida, que portasse um filho do pecado original, mas ela estava “bela” como as tendas de Salomão, rei pacífico por excelência.

Podemos dizer ainda que Nossa Senhora estava “negra” por seus opróbrios, dores e sofrimentos na crucificação do seu Filho bem amado, mas ela é “bela”, pois no céu está associada a glória do Salvador.

Muito mais poderia ser dito, mas estes que vomitam seus despautérios são uma sociedade de malícia mútua, exatamente como existiu entre Herodes e Pilatos.           

Em alguns daqueles que oferecem o Santo Sacrifício, vemos a nítida atitude de Caim, que oferece sacrifício a Deus alimentando em seu coração a inveja contra seu irmão.

Como preceitua o manual de patifaria de B. Gracián, “Quando nos falam com malicia. Com alguns tudo há de ser às avessas; o sim é não e não é sim. Falam mal do que estimam, pois o que se quer para si se desacredita para os outros”.

Jumentas e macacos podem falar desde que falem a verdade. O contrário é opinião.  Penso, logo me engano.

 

Noel Neder                                               

 

 

 

Postagens relacionadas

  • 84
      Tudo o que você precisa saber para combater os argumentos circulares do Pale Ideias: Perseguir o rabo está mais relacionado a cães mais velhos e normalmente tem a ver com algum problema psicológico, como demência ou senilidade. Nos filhotes, entretanto, significa apenas uma forma de brincadeira. Os cães que…
    Tags: de, uma, é, como, tradicionalismo, falso
  • 83
    Pablo Hermoso Y nosotros que pensábamos que en su sapiencia tenían respuesta para todo. Pero no. La neo-super-ultra-resistente que acaba de formarse en Brasil, de los nuevos cruzados contra los “apóstatas” y “herejes” obispos Williamson, Faure y el próximo obispo Dom Tomás de Aquino, más toda la tropa de “liberales”…
    Tags: de, tradicionalismo, falso
  • 79
    Gederson Falcometa Diz o Evangelho de São Lucas, 6, 43-45: “Uma árvore boa não dá frutos maus, uma árvore má não dá bom fruto. Porquanto cada árvore se conhece pelo seu fruto. Não se colhem figos dos espinheiros, nem se apanham uvas dos abrolhos. O homem bom tira coisas boas…
    Tags: de, tradicionalismo, falso
  • 72
    A teóloga disse isto (em um texto que parece uma árvore de natal): "2. “...toda a árvore boa dá bons frutos, e toda a árvore má da maus frutos”. Adaptando para facilitar a compreensão: “...toda a árvore de maçãs dá maçãs, e toda a árvore de laranjas dalaranjas”". E: “Não…
    Tags: de, é, uma, como, tradicionalismo, falso
  • 53
    O Padre Pfeiffer e o falso bispo Moran: é um dever avisar os fiéis O "Bispo" Moran com P. Pfeiffer e Gregory Taylor, editor de "The Recusant" P. Cardozo ao lado de P. Pfeiffer e P. Hewko
    Tags: de, é, falso

O Padre Pfeiffer e o falso bispo Moran: é um dever avisar os fiéis

O Padre Pfeiffer e o falso bispo Moran: é um dever avisar os fiéis

O “Bispo” Moran com P. Pfeiffer e Gregory Taylor, editor de “The Recusant”

P. Cardozo ao lado de P. Pfeiffer e P. Hewko

Postagens relacionadas

  • 61
    Unavox/Agosto 2012 A graça de estado De Padre... um sacerdote da Fraternidade [Tradução: Gederson Falcometa] A maior parte daqueles que acreditam ter, o dever de defender a política de Menzingen, ultimamente tem utilizado o argumento da obediência ao Superior, em razão da sua graça de estado. De que se trata?…
    Tags: de
  • 53
                     Uma das primeiras lições que aprendi ao estudar a Filosofia é que há distinção entre: “Doxa” (do grego, opinião) e “Episteme” (do grego, verdade). De forma que todas as nossas opiniões devem ter por finalidade a verdade. Mas o nosso tempo é marcado pelos “doutores” da opinião. Não…
    Tags: de, é, falso

DESOBEDIENTES

 

 

 

 

 Desobedientes

 

“El mundo se había perdido por la desobediencia a la voluntad divina. La reparación moral comporta una vuelta de la voluntad hacia Dios por medio de un acto exactamente contrario a la falta, y no podía ser, por lo tanto, efectuada sino por un acto de obediencia”(“Hacia el Padre”, Mons. Guerry).

Así como el mundo cayó en el pecado por la desobediencia, la Iglesia se está auto demoliendo por causa de la desobediencia y la Neo-Fraternidad se está auto destruyendo por causa de la desobediencia. De igual modo, hay quienes intentar sabotear la Resistencia mediante la desobediencia.

Enseñó Mons. Lefebvre al final de su heroica vida:

Por eso todo sacerdote que quiere permanecer católico tiene el estricto deber de separarse de esta Iglesia conciliar, mientras ella no recupere la tradición del Magisterio de la Iglesia y de la fe católica” (Itinerario espiritual, 1990).

Su indicación es clara. La desobediencia de Mons. Fellay y sus cómplices, también. Ellos no han dejado desde hace años de acercarse más y más a las autoridades conciliares, en busca de un “acuerdo” o “reconciliación”, el cual se vislumbra ya en el horizonte.

No hace falta decir que Francisco, al igual que sus antecesores posteriores al Vaticano II, es desobediente, en diversos grados y modos, al Magisterio anterior de la Iglesia.

Continue Reading →

Postagens relacionadas

  • 72
    Clique aqui para baixar o livro on-line.   “La Iglesia e el mundo moderno – El progresismo de Congar y otros teologos recientes” Tabla de contenidos de la versión digital   PROLOGO 4 Capítulo I EL MISTERIO DE LA IGLESIA EN VATICANO II 7 La Iglesia, una Realidad de Salvación…
    Tags: de, el, iglesia, en
  • 59
      “El diablo tienta prometiendo o dando las cosas de Dios. Lo mismo que Dios nos ha de dar si tenemos espero y fidelidad. Cristo podía procurarse pan con esperar un poco –“y los ángeles se lo sirvieron”- sin necesidad de un milagro. El diablo nos empuja, nos precipita, es…
    Tags: de, la, en, el
  • 57
      Fray Maseo En el contexto de lo que viene ocurriendo en las filas de la Resistencia o Tradición católica en Brasil, pensamos que la turbación, el escándalo y la confusión suscitados exceden el marco de lo meramente doctrinal, y la vera explicación hay que buscarla en otro terreno. La…
    Tags: de, la, el, en
  • 55
      La Civiltà Cattolica Roma 1908. [Tradução: Gederson Falcometa] A crítica está na boca de todos: é o mérito da idade moderna. E se fosse mérito sincero, haveria razão para aprecia-la: a crítica verdadeira é o exame glorioso da verdade, seja científica ou religiosa. Mas muitas vezes é mérito falso:…
    Tags: de, la
  • 51
    Fray Maseo Leemos en los Hechos de los Apóstoles, cómo San Pablo circuncidó a su discípulo Timoteo, quien a partir de entonces iba a acompañarle en sus viajes apostólicos (Hech. 16,3). No obstante haber predicado contra la circuncisión como cosa inútil e innecesaria muchas veces (cfr. Colosenses 2,11; Romanos 3,30-31;…
    Tags: de, la, el, en

O cisco e a trave

Algumas pessoas tem insistido em atacar D. Williamson com a desculpa de estarem contestando as suas idéias. Essas mesmas pessoas dizem que “temos insistido na idéia de que a culpa da confusão atual é de quem distorce as palavras de D. Williamson”. Não insistimos em uma idéia, nós mostramos que as palavras de Dom Williamson foram distorcidas, como pode ser lido claramente no artigo:

Uma regra de Santo Inácio nos exercícios espirituais

Não só neste artigo, mas também na questão dos milagres, o Professor Nougué mostrou a aplicação errônea do “Comentário aos tessalonicenses”, que pode ser lido no endereço:

Ainda sobre a possibilidade de milagres fora da Igreja

Não entendemos como alguém que comete tantos erros ao falar de D. Williamson, persista querendo apontar erros do mesmo Bispo. D. Williamson erra, ninguém aqui defende que ele é infalível, inerrante e impecável, assim, como não foi nem mesmo D. Lefebvre, (os Papas tem apenas o “i” de infalibilidade), quem espera que um bispo seja assim, tenha os três “i”s são essas pessoas que dizem contestar as idéias do bispo, mas se voltam contra a sua pessoa. Os bispos bons para essas pessoas, estão no céu, na terra já não existe mais nenhum.

Reconhecemos a eles o mérito de saírem do armário. Todos sabiam que havia algo mais, agora vamos começar a ver o que se escondia atrás da questão dos milagres. Questão que está mais do que respondida e refutada por nós, sem nenhuma contra-argumentação direta. Seja dos Padres ou dos leigos.

Por enquanto é o que temos a dizer, posteriormente voltaremos a mostrar a trave nos olhos deles, enquanto eles tentam tirar o cisco dos olhos de D. Williamson.

Postagens relacionadas

  • 64
       Gederson Falcometa “Para que, tanto o que dá os Exercícios como o que os recebe, se ajudem mutuamente e tirem maior proveito, deve-se pressupor que todo bom cristão está mais pronto a salvar uma proposição do próximo do que a condená-la. Se não pode justifica-la, pergunte como é que…
    Tags: de, não, os, como
  • 59
    Unavox/Agosto 2012 A graça de estado De Padre... um sacerdote da Fraternidade [Tradução: Gederson Falcometa] A maior parte daqueles que acreditam ter, o dever de defender a política de Menzingen, ultimamente tem utilizado o argumento da obediência ao Superior, em razão da sua graça de estado. De que se trata?…
    Tags: de
  • 56
      Francesco Spadafora Separação da exegese do dogma O pesquisador católico, examinando um dos numerosos sistemas ou métodos postos pelos racionalistas para tirar todo traço de sobrenatural dos Evangelhos, não deveria ter dúvidas. Ainda mais que o castelo imaginado por Bultmann e seus companheiros foi apresentado e refutado com igual…
    Tags: de, da, é, os, não
  • 53
      d. CURZIO NITOGLIA [Tradução: Gederson Falcometa] 2 de abril de 2012 http://www.doncurzionitoglia.com/pace_anima2.htm     SEGUNDA PARTE * A aceitação de si   ·         Muitas vezes temos dificuldade de aceitar a vontade de Deus, queremos fazer aquilo que gostamos, mas algumas circunstâncias que não nos agradam se apresentam a nossa…
    Tags: de, não, é, os
  • 52
    Dois amores, duas cidades: Via modernorum I Gustavo Corção A infiltração nominalista na Civilização Ocidental Moderna. Antes de iniciarmos o exame dos diversos aspectos da Civilização Ocidental Moderna, convém determo-nos na consideração mais acurada e mais abstraia dos principais fatores desse importante período da história. Atrás dissemos que o triunfo…
    Tags: de, da, é
  • 51
    Textos da segunda edição:   O verdadeiro fundamento São Francisco de Sales A posição suprema que teve São Pedro na Igreja militante, em razão da qual é chamado fundamento da Igreja, como chefe e governador, não vai além da autoridade do seu Mestre, antes, lhe é apenas uma participação; de…
    Tags: de, da, não, é, mais
  • 50
    d. CURZIO NITOGLIA [Tradução: Gederson Falcometa] O paganismo (1) nega a liberdade humana, a onipotência criadora e a providência divina, em mundo governado pelo destino. Para o cristianismo – ao contrário – a história esta nas mãos de Deus onipotente que toma cuidado do mundo, conduzindo a humanidade, através de…
    Tags: de, não, é, os
  • 50
    Extrato do Capítulo XIII Em quais coisas a Igreja não é infalível   Do livro: Da opinião ao Dogma 15 de agosto de 1953 Padre Sisto Cartechini, S. J. [Tradução: Gederson Falcometa]     Milagres, aparições e relíquias   Especialmente entorno aos milagres antigos, não aqueles narrados na Sagrada Escritura, são transmitidos…
    Tags: de, da, milagres, não

Comentários anti-eleison: Comentários impiedosos

A causa do caos na Resistência é a heresia da ação, de que fala D. Chautard no livro “A alma de todo apostolado”. Ação sem reflexão é o que leva um Padre vir a público e escrever Comentários Anti-Eleison, porque a palavra Eleison, vem do grego, significa “ter piedade”, “compadecer-se”. Sendo assim, enquanto Dom Williamson escreve “Comentários piedosos”, temos a tácita admissão já no título, que Padre Cardozo escreve “Comentários anti-piedade” ou “Comentários impiedosos”. Eis a causa do caos: a heresia da ação. Só alguém que não pensa antes de agir para escrever uma bobagem dessas!

Postagens relacionadas

  • 82
    Unavox/Agosto 2012 A graça de estado De Padre... um sacerdote da Fraternidade [Tradução: Gederson Falcometa] A maior parte daqueles que acreditam ter, o dever de defender a política de Menzingen, ultimamente tem utilizado o argumento da obediência ao Superior, em razão da sua graça de estado. De que se trata?…
    Tags: de, que
  • 81
    La Civiltà Cattolica anno 11° vol. 6, serie IV, Roma 1860.   R. P. LUIGI TAPARELLI D’AZEGLIO, S. J.   Que me diz o leitor? A opinião é a rainha do mundo?   Este é um daqueles problemas equívocos, ao qual se pode justamente responder com um sim não menos…
    Tags: a, que, de
  • 78
      O Padre Cardozo, ele próprio é a imagem do caos que instaurou, como podemos ler: Em 2014 era contra os milagres fora da Igreja; Em novembro de 2015 aceitava; Em dezembro do mesmo ano passado, mudou de idéia de novo. Se o Padre Trincado não tivesse dado a conhecer…
    Tags: de, que, a, do, da, padre
  • 71
      PADRE CURZIO NITOGLIA [Tradução: Gederson Falcometa] 14 de maio de 2011 http://www.doncurzionitoglia.com/vero_e_falso_cristianesimo.htm   ● A VERDADEIRA VIDA não consiste unica e exclusivamente em se alimentar e beber, em divertir-se e provar emoções e prazeres. Tudo isto sozinho não tem saída, não tem fim nem ideal: leva a morte sem…
    Tags: a, de, é, que
  • 71
    Gederson Falcometa De fato a Resistência vive dias de confusão e discórdia. A razão dessa discórdia é exatamente que a polêmica dos milagres, não teve fim, aja vista que, o amigo Augusto, autor do texto, que agora comento, ainda toca nela. Nós que defendemos a possibilidade de Milagres fora da…
    Tags: que, de, a, é, da, do
  • 71
    Húngria – Nova Constituição de 1º de Janeiro de 2012                                  [Tradução Gederson Falcometa] Em 1º de janeiro de 2012 entrou em vigor a nova Constituição da Húngria aprovada pelo parlamento húngaro em 25 de abril do ano passado. É uma lufada de ar fresco na atmosfera envenenada da Europa…
    Tags: de, a, da, do
  • 70
     Padre Roger Thomas CalmelTradução: Gederson FalcometaMais atual do que nunca é este texto do Padre Roger Thomas Calmel, um dos primeiros sacerdotes a ter pressentido e resistido a crise na Igreja que se difundia já rapidamente nos anos 60. Neste ele mostra as grandes linhas do comportamento do católico que…
    Tags: a, que, de, da, do
  • 67
    O modernismo, para poder permanecer dentro da Igreja e muda-la subterraneamente, não quis se apresentar explicitamente como um sistema teológico bem definido [1], dado o seu caráter secreto ("foedus clandestinum/seita secreta", S. Pio X, Sacrorum Antistitum, 1910) e o seu horror pelas definições, pela lógica e pela especulação racional, a…
    Tags: a, de, é, que, da
  • 67
    Não separemos aquilo que Deus uniu     PADRE CURZIO NITOGLIA [Tradução: Gederson Falcometa] 16 de abril de 2011 http://www.doncurzionitoglia.com/intelletto_volonta.htm Natureza do intelecto e da vontade A vontade espiritual ou apetite racional é a faculdade que tende ao bem conhecido pelo intelecto (“nihil volitum nisi praecognitum, nada é querido se antes…
    Tags: a, é, que
  • 65
        A Igreja e o Estado (2ª ed.) Napoles 1872, cap. I, pag. 7-21.Rev. Pe. Matteo Liberatore S.J.CONDIÇÃO DA IGREJA OPOSTA AO ESTADOCAPÍTULO I.ARTIGO I.Conceito liberalITríplice forma de tal conceitoA palavra de ordem, como se costuma dizer, do liberalismo hodierno é a emancipação do Estado da Igreja. Isto se entende de…
    Tags: a, que, de, da, do
  • 65
    Gederson Falcometa A confusão e a desordem seguem de vento em popa no apostolado do Padre Cardozo. Agora veio a público a exigência da assinatura de um termo de adesão ao catolicismo [1]. Lembrou muito bem um amigo, que como prescreve o CDC de 1917 [2], um herege, um apóstata…
    Tags: de, que, a, da, do
  • 65
    R. Th. Calmel O.P. TEOLOGIA DA HISTÓRIA CAPÍTULO SEGUNDO[Tradução: Gederson Falcometa]      Podem-se encontrar estranhas, complicadas e as vezes até mesmo desconcertantes visões, sempre grandiosas, do Apocalipse de São João. Não se pode porém acusá-lo de fornecer uma idéia milenarista ou progressista da história. Neste não se encontra uma só alusão, por…
    Tags: a, de, que, da, do
  • 64
    TEMAS DO SERMÃO Evangelho do primeiro domingo após o Natal do Senhor: "José e Maria...", que é dividido em três partes. No primeiro tema do sermão, sobre a graça e a glória de Jesus Cristo, como está escrito: "Aprende onde está a sabedoria". O primeiro tema, sobre a pobreza, como…
    Tags: que, de, é, do
  • 64
      Gederson Falcometa Em resposta aos Comentários Eleison de Mons. Williamson sobre os milagres eucarísticos de Buenos Aires, o Rev. P. Ernesto Cardozo escreveu o texto que tem título homônimo ao deste artigo, porém, a questão que ele levantou encontra resposta positiva (há milagres fora do corpo visível da Igreja…
    Tags: de, que, a
  • 62
    PADRE CURZIO NITOGLIA [Tradução: Gederson Falcometa] Velletri, 15 de novembro de 2008 http://www.doncurzionitoglia.com/IpotesiVelletri.htm "Em questões teológicas difíceis e não definidas, deve se dar o próprio parecer com humildade e paz, conformando-se a instrução e a capacidade do ouvinte, insistindo mais na prática da Igreja, exortando a seguir o bom costume; ao invés de deixar-se…
    Tags: a, de, que, da
  • 62
    Miguel Ayuso PADRE CURZIO NITOGLIA 7 de julho de 2011 http://www.doncurzionitoglia.com/forma_societa_stati_liberta_reli.htm   [Tradução: Gederson Falcometa]   Publicado originalmente no SPES – SEMINÁRIO DE ESTUDOS SOCIOPOLÍTICOS SANTO TOMÁS DE AQUINO     •  “A heresia de um indivíduo, com o laicismo liberal, torna-se social e política” (M. Ayuso)   • “Da forma dada à…
    Tags: a, de, que, da, é
  • 61
    Cap. VIII das Conferências Espirituais (Londres, 1859) Padre Frederick William FABER (1814-1863), do Oratório   Causar escândalo é falta grave, mas receber escândalo é falta mais grave ainda. Implica maior maldade em nós e faz maior dano aos outros. Nada escandaliza mais rápido do que a rapidez em se escandalizar.…
    Tags: de, que, a, é, padre
  • 61
    Extraído do livro Fenomenologia da autodestruição (L’homme contre lui-meme) Noevelle Editions latines, 1, rue palatine, Paris, 1962 Marcel de Corte [Tradução: Gederson Falcometa] Não se pode compreender a obra de Maquiavel e o seu alcance, sem antes compreender a concepção do homem e de mundo que a governa. O pensamento…
    Tags: a, de, que, do, é, da
  • 61
    A “REGRESSÃO” JUDAIZANTE DO VATICANO II: A “MENTIRA” DO JUDEU-CRISTIANISMO   DON CURZIO NITOGLIA [Tradução: Gederson Falcometa] 6 de fevereiro de 2010 Publicado originalmente no SPES http://www.doncurzionitoglia.com/menzogna_del_giudeocristianesimo.htm                                                               Prólogo   Saiu recentemente em italiano um interessante livro do rabino Jacob Neusner [1], que volta a 1991 (Jews and…
    Tags: de, do, que, é
  • 61
      São Leão Magno Sermão n° 23: «Natal do Senhor» Já muitas vezes, caríssimos, ouvistes falar e fostes instruídos a respeito do mistério da solenidade de hoje; porém, assim como a luz visível enche sempre de prazer os olhos sadios, também aos corações retos não cessa de causar regozijo a…
    Tags: que, de, do
  • 57
        [Extratos] PADRE CURZIO NITOGLIA [Tradução: Gederson Falcometa] 22 de julho de 2010 http://www.doncurzionitoglia.com/salazar_filosofo_e_uomo.htm        “Ai dos povos que não suportam a superioridade de seus grandes homens! Mais desventurados ainda aqueles onde a política não é ordenada de modo a permitir  aos homens de raro valor a…
    Tags: de, que, do, é
  • 57
    d. CURZIO NITOGLIA [Tradução: Gederson Falcometa] O paganismo (1) nega a liberdade humana, a onipotência criadora e a providência divina, em mundo governado pelo destino. Para o cristianismo – ao contrário – a história esta nas mãos de Deus onipotente que toma cuidado do mundo, conduzindo a humanidade, através de…
    Tags: de, que, é, do
  • 57
    Extrato do artigo A Tese de Cassiciacum O Papado Material Para um debate sereno Padre Curzio Nitoglia [Tradução: Gederson Falcometa]   ‘Sé vacante’ sim, ‘Igreja Vacante’ não   a)‘Vacante Sé Apostólica’ na morte de cada Papa, sim Os canonistas e os teólogos definem, e então distinguem, o período de Vacância da Sé…
    Tags: a, de, é, que, padre
  • 56
        A tese de Cassiciacum  O Papado material Para um debate sereno    Don Curzio Nitoglia [Tradução: Gederson Falcometa]   «Nesta passagem do Evangelho de Marcos (VI, 47-56) está escrito justamente que a Nave (ou seja, a Igreja) se encontrava no meio do mar, enquanto Jesus estava sozinho em…
    Tags: a, de, que, é
  • 55
    Inocêncio XI assim concluí o decreto do S. Ofício de 4 de março de 1679 acerca dos vários erros morais: «Finalmente, a fim de que os doutores, ou seja, os escolásticos ou qualquer um no futuro, se abstenham de disputas injuriosas, e para que se providencie conservar a paz e…
    Tags: de, a, que, da, do

Um Bispo Vestido de Branco: Terceiro Segredo de Fátima

Por Gederson Falcometa

A polêmica que surgiu em torno da relação entre a Igreja Católica e a Conciliar, me fez lembrar do terceiro segredo de Fátima. Nele pode se ler uma parte que fala de um Bispo vestido de branco, o Papa, que muito provavelmente fará a consagração da Rússia. Esse Bispo vestido de Branco, salvo melhor resposta, sai da hierarquia da Igreja Conciliar (entendida como a Igreja Católica tal como é hoje: ocupada por uma hierarquia liberal e modernista). Assim, dentro das respostas que foram dadas ao problema, a que explicaria melhor o terceiro segredo de Fátima, seria a dos Dominicanos de Avrillé. Porque, obviamente, se a Igreja Conciliar (entendida como a Igreja Católica tal como é hoje: ocupada por uma hierarquia liberal e modernista) não é a Católica, como diz a atual resposta, que se levantou contra a tese das duas Igrejas, o Bispo Vestido de Branco não pode sair de sua hierarquia. Então, fica a questão para àqueles que defendem que a Igreja Conciliar não é a Católica:

De onde sairá o Bispo Vestido de Branco?

Ainda acreditam no triunfo do Imaculado Coração de Maria? Acreditam nas promessas de Nossa Senhora em Fátima?

Por fim, relembremos a parte do terceiro segredo que fala do Bispo Vestido de Branco:

” E vimos n’uma luz emensa que é Deus: “algo semelhante a como se vêem as pessoas n’um espelho quando lhe passam por diante” um Bispo vestido de Branco “tivemos o pressentimento de que era o Santo Padre”. Varios outros Bispos, Sacerdotes, religiosos e religiosas subir uma escabrosa montanha, no cimo da qual estava uma grande Cruz de troncos toscos como se fôra de sobreiro com a casca; o Santo Padre, antes de chegar aí, atravessou uma grande cidade meia em ruínas, e meio trémulo com andar vacilante, acabrunhado de dôr e pena, ia orando pelas almas dos cadáveres que encontrava pelo caminho; chegado ao cimo do monte, prostrado de juelhos aos pés da grande Cruz foi morto por um grupo de soldados que lhe dispararam varios tiros e setas, e assim mesmo foram morrendo uns trás outros os Bispos Sacerdotes, religiosos e religiosas e varias pessoas seculares, cavalheiros e senhoras de varias classes e posições. Sob os dois braços da Cruz estavam dois Anjos cada um com um regador de cristal em a mão, n’êles recolhiam o sangue dos Martires e com êle regavam as almas que se aproximavam de Deus. ” Transcrição do terceiro segredo de Fátima

Postagens relacionadas

  • 58
    La Civiltà Cattolica anno 11° vol. 6, serie IV, Roma 1860.   R. P. LUIGI TAPARELLI D’AZEGLIO, S. J.   Que me diz o leitor? A opinião é a rainha do mundo?   Este é um daqueles problemas equívocos, ao qual se pode justamente responder com um sim não menos…
    Tags: a, que, de
  • 50
      Gederson Falcometa Em resposta aos Comentários Eleison de Mons. Williamson sobre os milagres eucarísticos de Buenos Aires, o Rev. P. Ernesto Cardozo escreveu o texto que tem título homônimo ao deste artigo, porém, a questão que ele levantou encontra resposta positiva (há milagres fora do corpo visível da Igreja…
    Tags: de, que, a
  • 50
    PADRE CURZIO NITOGLIA [Tradução: Gederson Falcometa] Velletri, 15 de novembro de 2008 http://www.doncurzionitoglia.com/IpotesiVelletri.htm "Em questões teológicas difíceis e não definidas, deve se dar o próprio parecer com humildade e paz, conformando-se a instrução e a capacidade do ouvinte, insistindo mais na prática da Igreja, exortando a seguir o bom costume; ao invés de deixar-se…
    Tags: a, de, que

Powered by WordPress. Designed by WooThemes

Seguir

Obtenha todo novo post entregue na caixa de entrada do seu email.

Junte-se a outros seguidores