Tag Archives | Professor Carlos Nougué

A “resposta” do Padre Cardozo ao convite* ao debate‏

Carlos Nougué

A “resposta” do Padre Cardozo ao convite a um debate pode ouvir-se no link abaixo, ou seja, numa “homilia”. Com essa mesma “resposta”, já temos q.e.d., ou seja,quod erat demonstrandum”, ou seja, o que devia ser demonstrado.

Passemos a outro capítulo.

https://

* O convite pode ser lido AQUI

Postagens relacionadas

  • 66
    Estudos Tomistas “1) A perenidade do Primado é definida explícita e diretamente no Concilio Vaticano [I] (D 1824s). [D 1825 Cânon. Se alguém, pois, disser que não é de instituição de Cristo mesmo, quer dizer, de direito divino, que o bem-aventurado Pedro tenha perpétuos sucessores no primado sobre a Igreja…
    Tags: a, que, do, nougué, carlos, professor
  • 55
    Carlos Nougué Estudos Tomistas (professor laico da Casa de Estudos Santo Anselmo, do Mosteiro da Santa Cruz) Miguel Ferreira da Costa nasceu no Rio de Janeiro, Brasil, em 1954. Até a Faculdade de Advocacia, fez seus estudos no Colégio de São Bento do Rio de Janeiro, onde tive a oportunidade…
    Tags: a, que, do, carlos, nougué, professor

Doutrina da Igreja a respeito da perenidade do Primado de Pedro e da Hierarquia

Estudos Tomistas

Estudos tomistas

“1) A perenidade do Primado é definida explícita e diretamente no Concilio Vaticano [I] (D 1824s). [D 1825 Cânon. Se alguém, pois, disser que não é de instituição de Cristo mesmo, quer dizer, de direito divino, que o bem-aventurado Pedro tenha perpétuos sucessores no primado sobre a Igreja universal… seja anátema.]

2) A perenidade da Igreja é definida explícita, mas indiretamente, no mesmo Concílio (D 1821-1824s).

3) A perenidade da Hierarquia definiu-a implicitamente o Concílio Vaticano [I]. Com efeito, definiu explicitamente a perenidade do Primado (D 1824s). É assim que também definiu que é próprio do Primado ter subordinados a si e governar os Pastores ou Bispos da Igreja universal (D 1827-1831); logo, sempre haverá Pastores ou Bispos subordinados ao Primado. Isto mesmo é ensinado explicitamente na introdução à Constituição da Igreja (D 1821).”

Citação de Sacrae Theologiae Summa, pelos Padres da Companhia de Jesus, 4.ª ed., Madri, B.A.C., 1962, trat. III, “De la Iglesia de Jesucristo”, pelo P. J. Salaverri S. J., n° 294.

Observação. O que significa, porém, o dito acima se e quando o Papado e a Hierarquia são ocupados pela heresia é o que veremos proximamente, em especial na questão disputada Do Papa Herético, por publicar-se este ano.

Postagens relacionadas

  • 66
    Carlos Nougué A “resposta” do Padre Cardozo ao convite a um debate pode ouvir-se no link abaixo, ou seja, numa “homilia”. Com essa mesma “resposta”, já temos q.e.d., ou seja,“quod erat demonstrandum”, ou seja, o que devia ser demonstrado. Passemos a outro capítulo. https://www.youtube.com/watch?v=L1ArWCyWyYU * O convite pode ser lido…
    Tags: a, do, que, nougué, carlos, professor
  • 58
    Carlos Nougué Estudos Tomistas (professor laico da Casa de Estudos Santo Anselmo, do Mosteiro da Santa Cruz) Miguel Ferreira da Costa nasceu no Rio de Janeiro, Brasil, em 1954. Até a Faculdade de Advocacia, fez seus estudos no Colégio de São Bento do Rio de Janeiro, onde tive a oportunidade…
    Tags: de, a, da, que, do, carlos, nougué, professor
  • 57
     O Melhor Regime Políticosegundo Santo Tomás(e o atual momento brasileiro)Curso on-line de 18 horas ministrado por Carlos Nougué[Comunicado 1]ABERTURA DAS INSCRIÇÕES PARA O CURSO1) A partir do dia 4 de julho próximo, estarão abertas as inscrições para o curso on-line O Melhor Regime Político segundo S. Tomás (e o atual…
    Tags: de, carlos, nougué, tomistas, estudos, do, a, s
  • 54
    La Civiltà Cattolica anno 11° vol. 6, serie IV, Roma 1860.   R. P. LUIGI TAPARELLI D’AZEGLIO, S. J.   Que me diz o leitor? A opinião é a rainha do mundo?   Este é um daqueles problemas equívocos, ao qual se pode justamente responder com um sim não menos…
    Tags: a, que, de, se
  • 53
    Extraído do livro Fenomenologia da autodestruição (L’homme contre lui-meme) Noevelle Editions latines, 1, rue palatine, Paris, 1962 Marcel de Corte [Tradução: Gederson Falcometa] Não se pode compreender a obra de Maquiavel e o seu alcance, sem antes compreender a concepção do homem e de mundo que a governa. O pensamento…
    Tags: a, de, que, do, é, se, da
  • 51
    PADRE CURZIO NITOGLIA [Tradução: Gederson Falcometa] Velletri, 15 de novembro de 2008 http://www.doncurzionitoglia.com/IpotesiVelletri.htm "Em questões teológicas difíceis e não definidas, deve se dar o próprio parecer com humildade e paz, conformando-se a instrução e a capacidade do ouvinte, insistindo mais na prática da Igreja, exortando a seguir o bom costume; ao invés de deixar-se…
    Tags: a, de, que, da
  • 50
        A Igreja e o Estado (2ª ed.) Napoles 1872, cap. I, pag. 7-21.Rev. Pe. Matteo Liberatore S.J.CONDIÇÃO DA IGREJA OPOSTA AO ESTADOCAPÍTULO I.ARTIGO I.Conceito liberalITríplice forma de tal conceitoA palavra de ordem, como se costuma dizer, do liberalismo hodierno é a emancipação do Estado da Igreja. Isto se entende de…
    Tags: a, que, de, da, se, do

Quem é Dom Tomás de Aquino Ferreira da Costa, nosso novo Bispo: um testemunho

Carlos Nougué

Estudos Tomistas

(professor laico da Casa de Estudos Santo Anselmo,

do Mosteiro da Santa Cruz)

Miguel Ferreira da Costa nasceu no Rio de Janeiro, Brasil, em 1954. Até a Faculdade de Advocacia, fez seus estudos no Colégio de São Bento do Rio de Janeiro, onde tive a oportunidade de ser por um breve tempo seu colega de classe. Fez parte do movimento tradicionalista e antimodernista organizado em torno de Gustavo Corção e da revista Permanência; teve início então sua vida de “fiel guerreiro da guerra pós-conciliar pela Fé”, como escreve Dom Williamson.Começou, como dito, a cursar Advocacia, mas abandonou-a para tornar-se monge, com o nome de Tomás de Aquino, no mosteiro francês do Barroux, que tinha então por superior a Dom Gérard; e foi ordenado sacerdote em 1980, em Êcone, por Dom Marcel Lefebvre. Pôde então privar da amizade, do exemplo, dos ensinamentos do fundador da FSSPX.

Veio ao Brasil com um grupo de monges do Barroux para fundar o Mosteiro da Santa Cruz, em Nova Friburgo, Rio de Janeiro/Brasil. Nesse ínterim, porém, Dom Gérard, contra a instância de Dom Lefebvre, marchou para um acordo com a Roma conciliar, contra o que se opôs também Dom Tomás de Aquino. A separação foi então inevitável. O Mosteiro da Santa Cruz, com total apoio e incentivo de Dom Lefebvre, tornou-se assim independente, ainda que amigo da FSSPX. Com efeito, escreveu pouco mais ou menos Dom Lefebvre a Dom Tomás em carta que tive o privilégio de ler: O senhor deve reverência e consulta aos bispos da FSSPX, mas estes não têm jurisdição sobre o senhor, que, como prior do Mosteiro, há de ter autonomia.

Mas foi-se tornando difícil a relação de Dom Tomás e seu Mosteiro com a FSSPX, sobretudo com a aproximação desta à Roma neomodernista. Quando Bento XVI publicou seu Motu proprio sobre o “rito extraordinário”, Dom Tomás de Aquino negou-se a cantar na Missa de domingo o Te Deum pedido por Dom Fellay para comemorar o documento papal, e, especialmente pela “suspensão das excomunhões” pelo mesmo papa, escreveu Dom Tomás a Dom Fellay uma carta em que dizia que não seguiria seus passos rumo a um acordo com a Roma conciliar. Um tempo depois, aparecem no Mosteiro (sou testemunha presencial disto) Dom de Galarreta e o Padre Bouchacourt para dizer a Dom Tomás que ele teria quinze dias para deixá-lo; se não o fizesse, o Mosteiro deixaria de receber ajuda e sacramentos (incluído o da ordem) da FSSPX.

Escrevi a Dom Fellay para queixar-me de tal injustiça, e recebi por resposta o seguinte: “O problema de Dom Tomás é mental. Enquanto não deixar o Mosteiro, este não receberá nossa ajuda”. Respondi-lhe: “Devo ter eu também o mesmo problema mental, porque convivo há doze anos com Dom Tomás e nunca o percebi nele”. Tratava-se em verdade de algo similar ao stalinismo e seus hospitais psiquiátricos para opositores.

Hesitou então Dom Tomás: se deixasse o Mosteiro, seria a ruína deste com respeito à Fé; se porém permanecesse, privá-lo-ia de toda a ajuda de que necessitava. Foi então que veio em seu socorro Dom Williamson: o nosso Bispo inglês escreveu uma carta a Dom Tomás em que assegurava ao Mosteiro todos os sacramentos; poderia assim Dom Tomás permanecer nele. Foi o suficiente para que todos aqui reagíssemos: foi o começo do que hoje se conhece por Resistência, e que teve por órgão primeiro a página web chamada SPES, hoje desativada por ter cumprido já o papel a que se destinava. O Mosteiro passou a ser então centro de acolhimento para os sacerdotes que, querendo deixar a FSSPX pela traição de seus superiores, hesitavam porém em sair justo por não ter onde viver fora dela. Foi o lugar da sagração de Dom Faure, e será agora o lugar da sagração do mesmo Dom Tomás de Aquino Ferreira da Costa, meu pai espiritual e o amigo mais entranhável que Deus me poderia haver dado. Sim, sou filho seu e do Mosteiro da Santa Cruz, e foi aqui, neste cantinho do céu, que pude sentir pela primeira vez o tão agradável odor da santidade.

Postagens relacionadas

  • 58
    Estudos Tomistas “1) A perenidade do Primado é definida explícita e diretamente no Concilio Vaticano [I] (D 1824s). [D 1825 Cânon. Se alguém, pois, disser que não é de instituição de Cristo mesmo, quer dizer, de direito divino, que o bem-aventurado Pedro tenha perpétuos sucessores no primado sobre a Igreja…
    Tags: de, a, da, que, do, nougué, carlos, professor
  • 55
    Carlos Nougué A “resposta” do Padre Cardozo ao convite a um debate pode ouvir-se no link abaixo, ou seja, numa “homilia”. Com essa mesma “resposta”, já temos q.e.d., ou seja,“quod erat demonstrandum”, ou seja, o que devia ser demonstrado. Passemos a outro capítulo. https://www.youtube.com/watch?v=L1ArWCyWyYU * O convite pode ser lido…
    Tags: a, do, que, nougué, carlos, professor
  • 52
    PADRE CURZIO NITOGLIA [Tradução: Gederson Falcometa] Velletri, 15 de novembro de 2008 http://www.doncurzionitoglia.com/IpotesiVelletri.htm "Em questões teológicas difíceis e não definidas, deve se dar o próprio parecer com humildade e paz, conformando-se a instrução e a capacidade do ouvinte, insistindo mais na prática da Igreja, exortando a seguir o bom costume; ao invés de deixar-se…
    Tags: a, de, que, da
  • 50
    R. Th. Calmel O.P. TEOLOGIA DA HISTÓRIA CAPÍTULO SEGUNDO[Tradução: Gederson Falcometa]      Podem-se encontrar estranhas, complicadas e as vezes até mesmo desconcertantes visões, sempre grandiosas, do Apocalipse de São João. Não se pode porém acusá-lo de fornecer uma idéia milenarista ou progressista da história. Neste não se encontra uma só alusão, por…
    Tags: a, de, que, da, do

Powered by WordPress. Designed by WooThemes

Seguir

Obtenha todo novo post entregue na caixa de entrada do seu email.

Junte-se a outros seguidores