A amizade — Sidney Silveira


Trivialidades / sábado, dezembro 20th, 2014

 

“Aristóte­les já nos ensi­nara, em suas duas Éti­cas, que os ami­gos são aque­les que se reúnem em torno da ver­dade, indi­can­do-nos com isto que, onde não há ver­dade, não pode haver amizade em sen­ti­do próprio. O cris­tian­is­mo foi além e disse que a amizade ver­dadeira é, tam­bém, impos­sív­el fora do amor, cujo obje­to for­mal não é out­ro senão o bem. Isto nos remete à mais bela definição de cari­dade que já li, tão cara a San­to Tomás:
 
“Cari­dade é par­til­har as ver­dades con­tem­pladas”.”
 


Sid­ney Sil­veira


A amizade se fun­da na comu­ni­cação de bens obje­tivos
. E quan­to maior e mais exce­lente o bem que se queira comu­nicar, maior a amizade. Ami­go, por­tan­to, é a pes­soa que quer o mel­hor para aque­le por quem nutre o que alguns teól­o­gos morais chamam de amor de benevolên­cia.
San­to Tomás, em alguns pon­tos de sua obra, chega a diz­er que a amizade é o modo mais per­feito do amor (In III Sent., d.27, q.2, a.1), pois, além de pos­suir todas as car­ac­terís­ti­cas iner­entes ao amor, ela acres­cen­ta-lhe a mútua cor­re­spondên­cia. Ade­mais, diz ain­da o Angéli­co que a amizade tem duas excelên­cias pro­pri­a­mente suas: a primeira é que, graças a ela, existe uma cer­ta sociedade entre amante e ama­do no amor (soci­etas quaedam aman­tis et amati in amore); a segun­da é que o ami­go age por eleição (ou seja: por escol­ha livre) e não por paixão con­cu­pis­cente. E nes­ta escol­ha livre uma pes­soa quer o mel­hor, quer o bem para o seu dile­to ami­go — e o bem numa trí­plice per­spec­ti­va: um bem hon­esto, um bem deleitáv­el e um bem útil.
Ess­es bens especi­fi­cam as três for­mas de amizade: a hon­es­ta, a útil e a deleitáv­el. Vale diz­er que, para San­to Tomás, não se tra­ta de espé­cies unívo­cas de amizade den­tro de um mes­mo gênero, pois a amizade se pred­i­ca de maneira análo­ga. Elas se esta­b­ele­cem segun­do o ante­ri­or (mais per­feito) e o pos­te­ri­or (que se lhe segue), como afir­ma Patri­cia Astrorquiza Fier­ro em seu estu­pen­do Ser y amor – Fun­da­mentación Metafísi­ca del Amor en San­to Tomás de Aquino. Assim, a amizade mais per­fei­ta será a hon­es­ta, que abar­ca as out­ras duas e na qual se cumpre, em seu ápice, o amor benev­o­lente, pois esse tipo de amizade se baseia na ver­dade, e não em inter­ess­es tópi­cos menores. A amizade hon­es­ta é o mod­e­lo da ver­dadeira amizade porque, nela, o ami­go é ama­do pelo que é — e tan­to mais será ama­do quan­to mais isto que ele é seja con­tem­pla­do pelo amante em sua dimen­são espir­i­tu­al, supe­ri­or. Se ele é ama­do porque tem uma alma racional-voli­ti­va, uma alma fei­ta por Deus à Sua imagem e semel­hança, este moti­vo da amizade bas­tará para especi­ficá-la como vir­tu­osa, forte, resistente às intem­péries e aos mal-enten­di­dos que muitas vezes chegam a engen­drar ódios onde, antes, havia amizade. A propósi­to, este é, jus­ta­mente, o porquê de o cristão amar os inimi­gos: nós não os amamos, dizia San­to Agostin­ho, enquan­to inimi­gos, o que seria absur­do, mas enquan­to semel­hantes. Em suma, nós amamos os inimi­gos enquan­to partícipes da semel­hança div­ina. E aqui não é demais lem­brar que os inimi­gos de hoje — em grande parte das vezes, pos­sivel­mente a maio­r­ia — são aque­les que, um dia, foram ami­gos, mes­mo não ten­do tal amizade a solidez requeri­da.
O fato é que, se a amizade não tiv­er essa vir­tude, a saber, essa força espir­i­tu­al basea­da em Deus — fonte de todas as ver­dades e de todos os bens —, ela ten­derá a ser mais útil e deleitáv­el do que hon­es­ta. Terá uma ou out­ra car­ac­terís­ti­ca, mas com exclusão da prin­ci­pal, ou seja: ten­derá a faz­er dos bens úteis e dos bens deleitáveis um real imped­i­men­to para os bens hon­estos. Este é o caso, por exem­p­lo, de pes­soas que têm ami­gos ape­nas na medi­da do seu inter­esse ou do inter­esse do grupo a que servem. Ess­es não estão, por isso mes­mo, no ato livre de uma escol­ha amorosa, mas escrav­iza­dos no serviço a algo menor.
Aristóte­les já nos ensi­nara, em suas duas Éti­cas, que os ami­gos são aque­les que se reúnem em torno da ver­dade, indi­can­do-nos com isto que, onde não há ver­dade, não pode haver amizade em sen­ti­do próprio. O cris­tian­is­mo foi além e disse que a amizade ver­dadeira é, tam­bém, impos­sív­el fora do amor, cujo obje­to for­mal não é out­ro senão o bem. Isto nos remete à mais bela definição de cari­dade que já li, tão cara a San­to Tomás:
“Cari­dade é par­til­har as ver­dades con­tem­pladas”.
Assim, se alguém não par­til­ha inte­gral­mente as ver­dades (des­de as mais sim­ples e facil­mente com­par­til­háveis) das quais hau­riu con­hec­i­men­tos hon­estos, úteis e deleitáveis para si e para os demais, esse alguém é antes um egoís­ta que tem amizade mais por si mes­mo do que por qual­quer pes­soa.
Vale ain­da diz­er que a ver­dadeira amizade é a raiz do perdão e tam­bém a raiz de quais­quer sac­ri­fí­cios que se façam. Ou, noutra for­mu­lação: ser­e­mos tan­to mais capazes de per­doar e de nos sac­ri­ficar, quan­to mais a nos­sa amizade for hon­es­ta e se basear, pri­mor­dial­mente, em Deus. Pos­tos nes­ta situ­ação, poder­e­mos cap­tar o ele­va­do sen­ti­do destas palavras sim­ples de Nos­so Sen­hor: “Ninguém tem maior amor do que aque­le que dá a vida por seus ami­gos” (Jo. XV, 13).
 
 
De tudo isto fica-nos a lição de que a amizade, em sen­ti­do próprio, só será pos­sív­el entre pes­soas que, pelo menos, bus­cam a san­ti­dade. Fora daí, poderá até haver cer­to tipo de amizade, mas sem aque­la com­placên­cia inte­ri­or pela bon­dade intrínse­ca do ami­go. Poderá haver uma amizade, sim, mas sem nen­hum deleite espir­i­tu­al.
Em tem­po. A um dile­to ami­go, dedi­co o vídeo a seguir. Tra­ta-se de uma músi­ca que sei que ele apre­cia (ao vio­lão com certeza, não sei se ao vio­li­no, como nes­ta ver­são):